Spiga

   00:00:00

Breve História do Centro Espírita Apolo 2ª fase



Tito
2ª Fase – 1996 a 2005
A EXPANSÃO
“Os Trabalhadores”

É importante registrar que neste período intermediário tivemos durante mais de 7 anos a colaboração afetuosa do irmão Valcely Ferreira, o Ferreirinha do Tabernáculo Espírita Joana D’Arc da cidade de Gravatá. Ferreirinha, figura ímpar no cenário espírita, participou semanalmente, todas as quintas-feiras de palestras cujo tema era o estudo de “O Livro dos Espíritos” muito contribuindo para a popularização dos conceitos doutrinários em nossa instituição. Fica aqui nosso agradecimento sincero por sua dedicação.

Até que por volta do ano de 1996 chegou mais um desbravador da seara espírita em nossa cidade, Assis, que logo se integrou aos trabalhos do Centro e junto com ele começou a chegar uma nova leva de trabalhadores entre eles: Beto, Washington, Telma, Dilma, Moisés, Sheila, Carlinhos, Claudia, Serginho, Fabiana, Jacilene, Márcia, Luana, Dora, Rejane, Alan, Lídia entre tantos.

A partir daí o número de sócios aumentou bastante e o de trabalhos também, alguns sofreram reformulações, ou melhor, adaptações como: a sopa, a evangelização infantil. Foi implantado o estudo de educação mediúnica, a evangelização de jovens, o enxoval para mães carentes, a sopa para os presidiários, a visita ao Hospital Jesus Pequenino, a entrega de cachorro-quente em bairros carentes da cidade, o evangelho no lar, a aplicação de passes e iniciamos também a venda de livros espíritas em nossa Casa.
No ano de 1998 aconteceu a mudança do nome da casa passou a se chamar de Centro Espírita Apolo, em homenagem ao mentor espiritual da instituição o querido Irmão Apolo. Este passou a se comunicar com mais freqüência através de mensagens psicografadas de elevado cunho espiritual demonstrando sabedoria e um amor enorme por esta casa. Quanto a sua pessoa temos muito pouca informação, sempre se manteve discreto em relação ao seu passado como é de praxe em espíritos sábios, sabemos somente que foi alguém ligado ao sacerdócio católico e os médiuns que já tiveram a permissão de vê-lo o descreveram como um franzino, de baixa estatura que muito se assemelha fisicamente ao saudoso D. Élder Câmera.
Neste mesmo ano de 1998 foi inaugurada na mesma rua e quase em frente a nossa sede a “Casa Assistencial Apolo”, por iniciativa de Jarbas que considerou a necessidade de um local mais amplo para as tarefas assistenciais. O trabalho da sopa que já estava atendendo a mais de 100 famílias passou a ser feito desde então na referida casa e outros trabalhos passaram aos poucos também para este local.
Um novo projeto assistencial surgiu neste ínterim, o “Ambulatório Dr. Bezerra de Menezes” que atenderia a população carente em algumas especialidades médicas, o projeto chegou a atender algumas pessoas, porém não vingou devido às enormes dificuldades que os médicos enfrentaram para comparecer nos dias marcados.
A residência de D. Zuleica no Bairro Santa Amaro I transformou-se numa espécie de filial do Centro Espírita Apolo, uma vez que alguns trabalhos assistenciais como: sopas para carentes, distribuição de cestas básicas e cachorro-quente, passaram a ser desenvolvidos por iniciativa dela na sua própria casa.
Nesta fase foi implantada a Campanha do Quilo, um dos trabalhos que mais divulgou a Doutrina Espírita em nossa cidade, a campanha ajudou a derrubar muito preconceito e chamou a atenção da sociedade bezerrense não-espírita que paulatinamente começou a colaborar conosco.
Durante este período Assis foi eleito pela 2ª vez presidente e por sua iniciativa a instituição foi totalmente regulamentada em termos legais, com aprovação de seu Estatuto registrado em cartório (em 06/12/2000) e tendo confirmada a sua adesão à Federação Espírita Pernambucana _FEP.
Até que no ano de 2000 por decisão da maioria, as palestra públicas passaram definitivamente a se realizarem na Casa Assistencial Apolo, foi observado que por ser um local mais aberto facilitaria a entrada de pessoas, a visualização dos trabalhos e palestras desmistificou bastante a idéia que o público externo tinha a respeito do Espiritismo.
Foi também nesse momento de expansão que Jarbas adquiriu uma banca de metal, que foi localizada no centro, na Praça dos Tamarindus, estava inaugurada a “Livraria Espírita Nova Visão”, cuja finalidade foi ser mais um meio de divulgar o Espiritismo através da venda de livros em um local fora do centro espírita.
Por volta do ano 2001 iniciou-se uma parceria entre o Centro Espírita Apolo e a Prefeitura Municipal dos Bezerros, que culminou meses depois com a doação de um terreno no Bairro Santo Amaro II realizada pelo então Prefeito Samuel Domingos. O terreno cedido a nossa instituição, graças ao empenho de colaboradores como Sr. Eraldo e Tito, foi transformado por Jarbas na “Comunidade Espírita Fraterna”, que iniciou suas atividades em agosto de 2005. A Comunidade Espírita Fraterna é uma filial do CEA e graças ao trabalho de D. Ninón e Luzinete têm desenvolvido várias atividades, tais como: distribuição de sopa, arroz doce e cestas básicas, trabalhos artesanais, assistência às gestantes e com projetos futuros de construção de horta e de um campo de futebol.
O Centro Espírita Apolo no ano de 2005 passou a fazer parte do Conselho Municipal de Assistência Social órgão ligado a Secretaria de Ação Social e Cidadania do Município de Bezerros.

1 comentários:

  Anônimo

20 de abril de 2009 08:14

Este comentário foi removido por um administrador do blog.